vulcan malvinas

A guerra das Malvinas respingou por aqui no Brasil. Um dos episódios foi bem incomum, dois caças brasileiros tiveram que interceptar um bombardeiro britânico em pleno oceano atlântico. Saiba aqui como aconteceu essa historia.

Em junho de 1982 a guerra das Malvinas estava quase no fim, porém continuava com extrema violência. Os ingleses realizavam longas missões de bombardeio partindo da ilha Ascensão no meio do oceano entre o Brasil e a costa da Africa. Estas missões eram realizadas pelos já veteranos bombardeiros Vulcan, que foram concebidos para carregar armamento atômico, e que como todo design da década de 60, padecia de um grave problema, a autonomia.

Em cada missão os Vulcan precisavam de uma complicada logística de abastecimento aéreo que era um verdadeiro pesadelo, qualquer minima falha e os Vulcans nunca regressariam a base. Ao todo 7 missões de bombardeio foram realizadas, chamadas de Black Buck. Os Vulcans eram abastecidos na ida e na volta das operações.

Neste contexto, no dia 3 de junho de 1982 os radares brasileiros captam um contato entrando no espaço aéreo. Nestes casos é necessária uma resposta rápida e contundente, quer seja que o contato captado no radar esteja com problemas ou esteja testando a resposta das defesas aéreas do país (como fazem os russos toda hora) é necessário mostrar que se esta preparado e a altura das circunstancias. O capitão Raul Dias, hoje major-brigadeiro lembra:

“Eu e um colega íamos decolar para outra missão naquele dia. Só que pelos radares da defesa aérea foram identificados quatro aviões vindos do mar para o Rio de Janeiro e que, pela velocidade, sabia-se que era uma aeronave a jato. Não se sabia, porém, qual era o tipo de avião, pois, no momento do problema, as normas britânicas diziam para silenciar o rádio e aproarem, no caso, no Rio de Janeiro. Só mais tarde, eles iriam solicitar um pouso de emergência ou algo do gênero.

Os aviões britânicos estavam a mais de 100 milhas da costa brasileira. Ou seja, eles foram identificados no limite máximo da detecção do radar da época, entre 150 e 200 milhas. Em seguida, três deles saíram. A partir do momento que foi acionado o alerta, soou uma sirene. E o controle de coordenação, por meio do rádio, acionou o código para a situação: Rojão de fogo, que indicava uma missão real.””Foi a primeira e última vez que ouvi o código e ali eu sabia que estava engajado em uma missão de verdade e que estava decolando para entrar em combate. Os caças tiveram os canhões carregados, porque a gente já voava com a capacidade máxima de cartuchos, só não estávamos com a bala na agulha nos canhões de 20mm. Então, decolamos para fazer a interceptação sem saber de quem se tratava.”

Não era qualquer saída de treino, desta vez era uma situação real. Para se ter uma ideia foi a primeira e única vez desde a segunda guerra mundial que o 1o Grupo de Caça era acionado. Na missão foram usados os famosos F-5E Tiger da FAB de fabricação americana estes caças podiam carregar mísseis Ar-Ar e eram supersônicos.

“Decolamos e tem um detalhe: a torre de Santa Cruz nos passou direto para a defesa aérea. Recebemos a instrução para chegar a uma altitude de 36 mil pés e nos deram a subida com pós-combustão, um movimento de rápida aceleração — houve até a quebra da barreira do som próximo ao Rio, o que foi muito comentado na cidade. Era, evidentemente, uma consequência da missão, e não uma firula. Embora nós não estivéssemos com mísseis, tínhamos 560 cartuchos de dois canhões 20 mm em cada F-5. Mas, claro, não foi um duelo entre caças. Mas nós decolamos sem saber com o que iríamos deparar. Quando avistei o Vulcan, eu disse: ‘espadas dois cobertura’ e assumi posição de combate. O Vulcan era um avião majestoso. Eu tentei, então, fazer a comunicação e ele, em um primeiro momento, manteve o rádio em silêncio. Quando ele respondeu, eu o orientei — porque eu estava recebendo orientações da defesa aérea — e ligado no canal internacional de emergência, pelo qual passei as coordenadas para o bombardeiro. Depois, nós o escoltamos até o Galeão.”

O Vulcan vinha com um problema no sistema de reabastecimento aéreo, o que o condenou a pousar no Brasil. Eles não conseguiriam chegar a nenhum outro lugar. A tripulação tinham essa ordem, porém sem saber ao certo qual seria a reação do Brasil em relação a invasão do espaço aéreo.

“O piloto do Vulcan passou por uma situação limite, até porque não tinham ideia de que seriam interceptados tão cedo. Achavam que pousariam no Rio sem que fossem interceptados. Subestimaram nossa capacidade. Eles devem ter pensado: ‘será que vão nos derrubar?’. Nós éramos latinos, vizinhos da Argentina, será que, nesse contexto, não seria possível um ataque? Até nós falarmos que iríamos escoltá-los, acompanhar o pouso, deve ter sido uma angústia para eles. Quando o dispositivo de reabastecimento em voo quebrou, eles já sabiam que teriam de pousar no Brasil.”

No final tudo saiu bem e o Vulcan foi escoltado até o aeroporto do Galeão. Este evento, nem tão conhecido, chacoalhou a vida do Rio de Janeiro e do Brasil e mostrou o profissionalismo e capacidade da FAB.

Nas Malvinas a Força Aérea Argentina quase desmantelou a frota britânica

04d
Interceptação e o Vulcan no Galeão
Vulcan. Um bombardeiro como este foi o interceptado.

20150103bg

f5_tiger2
F5 Tiger da FAB, foi um caça como este o que fez a interceptação.

f5efab

F-5EM

f5-manaus-5

Fonte: Brasil e Grã-Bretanha quase se enfrentaram nos céus na Guerra das Malvinas, diz piloto de caça – Zero Hora

O Brasil interceptou um bombardeiro inglês durante a guerra das Malvinas

stark


We have a Hulk ;-)


Post navigation


  • Rogério

    Nesta mesma época lembro que também houve uma pouso de um Vulcan na Base aérea de Canoas e que o mesmo só foi autorizado a prosseguir sem o armamento,que depois de passado o conflito foi devolvido a eles.

    • stark

      Olá Rogério tudo bem?

      Desta historia eu não sabia, você tem algum link ou fonte para saber mais sobre isso?

  • Frederico feroli

    Nesse exato dia estava na praia em arraial do cabo com minha mãe e minha irmã e vou morrer e nunca irei esquecer o que é sentir ver e ouvir vários caças quebrando a barreira em cima de nossas cabeças o chão tremou várias janelas explodiram , algumas casas que tiveram paredes rachadas de cima em baixo eles estavam voando muito baixo mesmo ( olha que até 8 anos atrás era proibido casa com mais de três andares na cidade ) só acho estranho não dizerem que eles decolaram da base aérea de são pedro , deve ser pq na época respondia ao comar diferente …

  • Jan Mozol

    Eu lembro disto,na verdade a escolta era o único caminho, sabiam que eram aviões caças ingleses, houve o pouso,houve depois o reabastecimento e tudo ficou por isto mesmo.

  • Wilson Arthur Santos

    Nesse episódio o Brasil permitiu o retorno da aeronave mas “reteve” as munições, misseis e bombas que serviram para fazer engenharia reversa kkkkk

    • Wagner Suhadolnik

      E serviu mesmo. Fizeram o Piranha e o Matador. Além de outras coisas. Mas será que compensou com a Diplomacia?

  • Pingback: Acontecendo agora: HEA que o Brasil interceptou um bombardeiro inglês durante a Guerra das Malvinas via /r/brasil | alinegarciadias()