Exatamente 30 anos atrás os sistemas de alerta de um centro ultra secreto de comando de mísseis da URSS ficaram loucos, sirenes disparavam, gritos e correria, tudo indicava que o pais estava sobre ataque nuclear e o coronel Stanislav Petrov estava no comando.

Aquele mesmo dia o comandante das forças de elite da força aérea Russa, Stanislav Petrov, tinha nas suas mãos não somente o destino do seu pais, mas o de toda a humanidade. Decidiu que o alarme era falso e salvou a humanidade e ao mesmo tempo destruiu sua carreira.

Era meia noite do dia 26 de setembro de 1983 no posto de controle e comando de alerta previa de mísseis balísticos ao sul de Moscow, o Serpukhov-15. Os oficiais de elite da força aérea estavam começando seu turno da noite quando o inferno se desatou.

As alertas de lançamento de mísseis começam a aparecer, primeiro uma e logo mais duas, poucos segundos depois havia cinco rastos de mísseis nas telas de radar. O botão de alerta vermelho na cadeira do comandante começa a piscar, Petrov sabe que deve presionar-lo para iniciar os lançamentos de resposta ao ataque, ele sabe disso porque ele escreveu o procedimento. Petrov é um oficial experiente, já trabalha nesta área há mais de 10 anos.

O bunker aonde fica o posto de Petrov recebe sinais de um satélite de “observação” que detecta, sem lugar a erro, que Estados Unidos lançou desde seu continente mísseis carregados com múltiplas cabeças nucleares. Os mísseis demorarão 30 minutos em atingir o objetivo, o Kremlin tem 15 minutos para iniciar os lançamentos por tanto sobram 10 para avaliar a situação e desatar o apocalipse.

Era o pior cenário, tudo indicava que havia que pressionar o botão vermelho, porém não o fez. Anos depois ele explicaria sua decisão. No momento avaliou que se você quer começar uma guerra, cinco mísseis é muito pouco e na doutrina da guerra nuclear não somente você deve atacar primeiro como não deve dar lugar a resposta, e para isto você precisa obliterar seu inimigo.

O momento histórico em que acontece este episódio era tenso, a URSS tinha acabado de abater uma avião comercial que tinha entrado em território soviético. Isto junto com outros movimentos hostis desde Washington indicavam que o ataque era plausível.

Após o episódio, e como nada aconteceu, e constatando que o problema tinha sido no satélite aliado a uma rara reflexão do sol na camada alta da atmosfera, era obvio que o Kremlin não podia premiar Petrov pelo que fez, então o “lógico” a se fazer era castigar-lo, outra coisa indicaria que todo o sistema era falho e isso era inadmissível.

Após o fim da URSS os superiores de Petrov divulgaram este ato heróico e ele se converteu em celebridade no mundo ocidental, afinal ele salvou a humanidade.

Após este incidente a URSS acelerou a instalação de um sistema chamado Perimeter, e que esta ativo ate hoje, desenhado para “aguentar” o ataque inicial de saturação e permanecer inativo durante o “Armagedon”, se o sistema não recebesse ordens “humanas” automaticamente lançaria os mísseis previamente programados. Ou seja se depois do ataque não sobrasse um Russo vivo, também não ia sobrar nenhum inimigo dos Russos.

Post em base a uma matéria que apareceu no site Rusia Hoy.

Stanislav Petrov, você não sabe mas este homem salvou sua vida.

stark


We have a Hulk ;-)


Post navigation