Torre de radio de Gliwice e como as SS inventaram uma guerra para Hitler

Este ano começou muito louco, se ate ameaça de guerra na América Latina tem. O Brasil esta envolvido e não descarta acoes bélicas. Claro que o Brasil não pode declarar guerra se não for agredido. Certo é que descolar uma guerra não é assunto fácil. Primeiro porque você precisa do apoio da população, e segundo porque ha leis internacionais, que ninguém respeita mesmo, mas que justificam as ações.

Em todo caso, toda boa guerra precisa de um motivo de acordo com a lei, ou pelo menos, que pareça que tem.

Por isto os países se cuidam muito de não parecer o agressor mesmo sendo e ao mesmo tempo, esperar o golpe do inimigo primeiro. Provocação faz parte do jogo. Porem as vezes o inimigo não colabora. O que fazer? Produzir um incidente claro. Neste post comento uns dos mais graves incidentes encenados para provocar uma guerra e que custou a vida a mais de 50 milhões de pessoas.

A Europa do final de década do 1930 era um caldeirão. Hitler queria recompor o mapa alemão de antes da primeira guerra mundial. Impunemente conseguiu “anexar” (eufemismo para agressão) vários territórios. Quando os franceses e ingleses reclamaram, Hitler simplesmente falou que queria o que era justo e que não tinha outras pretensões territoriais. Os aliados acreditaram, ou melhor, não queriam outra longa e custosa guerra alem de saberem que tinham abusado nas condições impostas na rendição na primeira guerra.

OK, são SS holandeses. Mas a marra é mesma.

Mas Hitler queria outra coisa. Como os aliados se mostraram debeis, ele forçou a barra. Agora queria invadir a Polônia. Para isto precisava de um pacto com a URSS e de um motivo para a invasão. Hitler riscou o pacto com a URSS da lista de supermercado dele no 23 de agosto de 1939.

Difícil o titio Stalin sair sorrindo numa foto. Da para você imaginar o tamanho do bom negocio que ele fez esse dia. Na foto, Ribbentrop, Stalin e Molotov (esse mesmo, o dos cockteis Molotov)

Hitler já vinha discursando faz tempo a proposito das minorias alemãs que ficaram dentro do território da Polônia. A questão é que depois da primeira guerra mundial as fronteiras da Polônia foram recortadas de um lado, e para compensar, deram território pelo outro lado as custas da Alemanha derrotada. Hitler começou a dizer que os alemães sofriam abusos na mão dos poloneses. Em resumo, todo tipo de provocação politica foi usada. Veja como as circunstancias em que termina a primeira guerra mundial e as condições impostas para a rendição foram as que causaram a segunda guerra.

Enfim. A Polônia se manteve cuidadosa, inclusive retirando tropas de áreas fronteiriças para não dar problema. Mas, contra as vontades do Fuhrer a Polônia podia pouco.

Um belo dia de verão, exatamente, 31 de agosto de 1939, enquanto o sol se punha na cidade alemã de Gliwice junto a fronteira polonesa, alguns carros atravessaram as ruas rapidamente e pararam enfrente a grande torre da estação de radio da cidade. Esta maravilha de madeira chamada de a “torre Eiffel da Silesia” é a estrutura desse material mais alta da Europa.

gliwice
Ta vendo o tamanho do problema? A mancha vermelha é a Silesia

Dos dois carros desembarcaram vários homens à paisana, porem um deles era Franciszek Honiok, um alemão católico que tinha sido detido por promover movimentos e manifestações contra Hitler na região da Silesia, região que hoje é da Polônia. Honiok usava um uniforme polonês naquele dia.

O que ele fazia ali? Pois estava contra a sua vontade. Aqueles homens que desceram dos carros eram oficiais das SS a paisana. Honiok foi “escolhido” pela Gestapo para o sacrifício e assim dar um ar de autenticidade à encenação que estava por acontecer.

gliwice

O plano era simples, soldados alemães deviam organizar atos de terrorismo ao longo da fronteira com a Polônia e se retirar deixando corpos vestindo uniformes do exercito polonês. De quem eram esses corpos? Podemos dizer que apos os ataques os nazistas tinham alguns “indesejáveis” a menos nos seus campos de concentração.

De todos os ataques planejados pelas SS, o da estação de Gliwice era de longe o mais importante. Uma vez capturada a estação de radio uma mensagem em polonês e alemão seria emitida. Isto era sem duvidas o grande lance da operação.

gliwice
Torre de radio de madeira de Gliwice

Um dia antes do planejado ataque à Polônia, Alfred Naujocks e seus homens, todos das SS, entraram na estação de radio de Gliwice prendendo seus funcionários (alemães todos) e obrigando-os a emitir uma mensagem anti-alemã.

Um dos soldados, Karl Hornack, quem falava bem o polonês, começou a transmitir a mensagem dizendo algo como “Atenção, esta é Gliwice. A estação de radio esta agora nas mãos da Polônia“.

Enquanto Hornack falava isto, um dos engenheiros desligou a transmissão sem ninguém perceber. Porem, o dano estava feito. Aquelas primeiras palavras foram escutadas em toda a Europa. No outro dia Hitler já estava acusando a Polônia de agressão, iniciando a infeliz cadeia de acontecimentos que levaram a segunda guerra mundial.

gliwice

E o que aconteceu com Franciszek Honiok? Bem, ele nunca soube o que estava acontecendo pois estava drogado. Pouco antes das SS se retirarem da estação de radio o executaram com um tiro na cabeça.

Hoje a estação de Gliwice esta no território polonês e é um museu. A sua imponente torre de madeira é usada hoje para a instalação de antenas de celular.

Vi isto aqui.

gliwice
Soldados alemães retirando a barreira do posto de fronteira polonês

stark

We have a Hulk ;-)

Você pode gostar...